Notívago

10 de Agosto de 2011 Wellington Calcagno Poesias 334

Oh! Triste noite, mãe da vida
Por que me incitas a não repousar?
Fazendo-me toda melancolia achar?

O frio cortante de teu respirar
Gela-me os sonhos já distantes daqui
Por que logo eu, Oh! Noite fugaz,
Escolheste pra ver em tormento sem fim?

A vagar por teus rumos sem destino achar
Faz-me querer algum acalento encontrar
Nos teus braços escuros cobertos por véu
Que guarda os sonhos e me transforma em um réu!

Por que logo eu, oh noite feroz,
Rescindes meu canto como um algoz?
És linda e cruel, oh! Noite amiga
A triste noite, mãe da vida!



Rio de Janeiro, 13 de Julho de 2009.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Bem Lá No Fundo há menos de 1 hora

Eu caio, levanto, choro, canto... Me aborreço, entristeço. Me estresso...
a_j_cardiais Poesias 21


"Só sei que nada sei" há 1 hora

Eu nada sei, Mas juro que te adorei, só sei que nada sei mas sei que t...
joaodasneves Mensagens 5


"Amiga virtual" há 1 hora

Ainda não sei porque te tenho como amiga... as tuas letras são iguais a ...
joaodasneves Pensamentos 4


Moça bonita há 3 horas

Todo mundo tem aquela moça bonita na sua vida..Eu tenho... Moça bonit...
anjoeros Poesias 4


Uma cama , várias interpretações... há 3 horas

Boa noite! Para hoje o que temos,como sempre,é o amor...Mas, nesse texto f...
anjoeros Artigos 6


"Amor proibido" há 3 horas

Porque será que aguentamos em silêncio a ferida? Dissimulamos frente a t...
joaodasneves Pensamentos 5