Notívago

10 de Agosto de 2011 Wellington Calcagno Poesias 336

Oh! Triste noite, mãe da vida
Por que me incitas a não repousar?
Fazendo-me toda melancolia achar?

O frio cortante de teu respirar
Gela-me os sonhos já distantes daqui
Por que logo eu, Oh! Noite fugaz,
Escolheste pra ver em tormento sem fim?

A vagar por teus rumos sem destino achar
Faz-me querer algum acalento encontrar
Nos teus braços escuros cobertos por véu
Que guarda os sonhos e me transforma em um réu!

Por que logo eu, oh noite feroz,
Rescindes meu canto como um algoz?
És linda e cruel, oh! Noite amiga
A triste noite, mãe da vida!



Rio de Janeiro, 13 de Julho de 2009.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Janela Para o Amor há menos de 1 hora

Abra sua janela para o Amor... Não o amor de um só. O Amor de um sol, ...
a_j_cardiais Poesias 20


Desconstruções há menos de 1 hora

Minha vida muitas vezes fica tão distante dos meus poemas... Quando as c...
a_j_cardiais Poesias 19


"Amiga cadeirante" há 1 hora

Vi alguém que me fez chorar, Enquanto eu passeava a beirinha mar, Ela ar...
joaodasneves Homenagens 4


"A felicidade és tu" há 2 horas

Nada mais bonito Que olhar as estrelas E ver-te a Ti Sentir a brisa da n...
joaodasneves Poesias 5


"Adoraria" há 9 horas

Eu adoraria mesmo era saber! Se realmente não sentes mesmo nada? Se não...
joaodasneves Poesias 8


"Teolenny" há 19 horas

Tu um dia foste meu amor. Eu te amei como nunca tinha amado. Onde juntos ...
joaodasneves Acrósticos 6