O silêncio

11 de Agosto de 2011 Wellington Calcagno Poesias 521

Cinge-me o corpo, etéreo manto
O reflexo abstrato do vazio,
O calar das notas vibrantes
Quais compunham o estrugido.
Que outrora se ouvia em montes,
Ecoando por campos verdejantes,
Dando alento e abrigo aos sonhos.
Resta agora apenas o calar,
Dum copo vazio em minha frente,
Uma porta que se acha destrancada
E a certeza que ninguém vai entrar.




Rio de Janeiro, 21 de julho de 2010.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
A Morte Em Cartaz, Cap 1 há menos de 1 hora

Prólogo Periferia de Atlanta, Quinta-feira, 23hrs:17min Marion re...
lordemoura Acrósticos 6


Sociedade Desalmada há 1 hora

Sou um ser muito sensível... E ser sensível é horrível, no meio desta...
a_j_cardiais Poesias 25


LUSO-BRASILEIRO - Des-História Universal há 4 horas

LUSO-BRASILEIRO Assim como a cor d'olho não colore Aquilo que se tem ...
ricardoc Sonetos 6


Uma Tal Pedra há 21 horas

No meio do caminho de muitas famílias, agora tem uma pedra... Tem uma...
a_j_cardiais Poesias 24


Mundo da Gataria há 22 horas

Gato criado com mordomia, não conhece o mundo da gataria. Não sobe nos...
a_j_cardiais Infantil 45


A história do amor há 22 horas

A história do amor O amor sempre existiu Em muitas formas Em várias ...
pfantonio Poesias 35