O silêncio

11 de Agosto de 2011 Wellington Calcagno Poesias 525

Cinge-me o corpo, etéreo manto
O reflexo abstrato do vazio,
O calar das notas vibrantes
Quais compunham o estrugido.
Que outrora se ouvia em montes,
Ecoando por campos verdejantes,
Dando alento e abrigo aos sonhos.
Resta agora apenas o calar,
Dum copo vazio em minha frente,
Uma porta que se acha destrancada
E a certeza que ninguém vai entrar.




Rio de Janeiro, 21 de julho de 2010.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Traços Mudados há 1 hora

O tempo passou, e eu nem percebi... Meus Deus, o que mudou? Envelheci. ...
a_j_cardiais Poesias 24


Queimando os Últimos Cartuchos há 1 hora

Sinto que estou queimando os últimos cartuchos... Estou chegando ao fim....
a_j_cardiais Poesias 23


"Posso ser o poema" há 4 horas

Barcos que navegam, ao luar, as imensas ondas do mar até as nuvens lá n...
joaodasneves Poesias 5


"Vi em ti" há 12 horas

Em ti eu vi o sol, o mar senti o vento aprendi a viver, soltei o sentime...
joaodasneves Poesias 6


"Tenho" há 12 horas

Tenho amor para dar Paixão para receber Sei perdoar, mas não posso esq...
joaodasneves Poesias 8


"Queria ser o mar" há 12 horas

Queria tanto ser o mar Te abraçar com as minhas ondas Te desejar na arei...
joaodasneves Poesias 7