Entre sem bater

11 de Agosto de 2011 Wellington Calcagno Poesias 560

Rubor detido entre facas,
Primor se perde sob entulho.
O pássaro canta em murmúrio
Com cinza dia que se mostra.
Vem, diga-me do que gostas!
Enquanto a corrente segue
Rubra por baixo da pele,
Em bramir a dar por conta
Toda força de meu corpo.

Sístole a traduzir o escopo,
Que por mim fora antes visto.
Hoje se perde esquecido
Em diástole cansada.

Vem, porventura debulhar-me!
Não te prenda a bons costumes
Chega mais perto.
Mostra-me o negrume!
Que em tua face guarnece
Fecha meus olhos fracos,
Pare o som ritmado
Que o meu peito apetece.





Rio de Janeiro, 3 de março de 2010.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
" Amar é" há menos de 1 hora

Amar e como voar, no mais azul dos céus. É sentir a sensaçao de estar n...
joaodasneves Poesias 4


PAU DE FITAS há 5 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 4


PAU DE FITAS há 5 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 3


Falta de Amor ao Próximo há 10 horas

A razão de viver é amar... Mas a maioria das pessoas vive o amor ao din...
a_j_cardiais Poesias 31


Amor a Deus x Amor ao Mundo há 10 horas

Nos dias do autor não havia automóveis como os luxuosos que existem em no...
kuryos Artigos 8


A Origem e a Razão de Ser de Tudo há 15 horas

Deus não criou todas as coisas para depois intentar formar uma Igreja. Ao...
kuryos Artigos 16