Extemporâneo

03 de Junho de 2014 NOËL SEMOG Poesias 301

EXTEMPORÂNEO

A felicidade existia neste instante
Procuro-a e não encontro
Ouço uma voz longe, distante.
É a voz deste desencontro
Quanto tempo se passou
Quanta primavera se floriu
Tantas que o tempo levou
Nos ventos que partiu
Quantos sonhos e desenganos
Quanta palavra me calou
Quantas ações sem planos
O tempo não parou
Volto triste e atroz
Sei agora que não existo
Sei agora o que me destrói
Dentro da noite persisto
Mas o silêncio é imenso
Sem sono insisto
Mas não sei o que penso
Sereno crio o pecado
Que me domina e me consome
Desequilibrado
O pecado me infesta
Sufoca-me e me mata
Cheguei tarde, faltou atenção.
Nada me resta
Atrasei-me com a oração.


Leia também
Lembra? há 1 dia

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 10


Principio há 1 dia

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 9


Viandar há 1 dia

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 9


Fluxo do tempo. há 1 dia

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 10


Sou há 1 dia

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 10


Ame...! há 1 dia

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 8