Extemporâneo

03 de Junho de 2014 NOËL SEMOG Poesias 288

EXTEMPORÂNEO

A felicidade existia neste instante
Procuro-a e não encontro
Ouço uma voz longe, distante.
É a voz deste desencontro
Quanto tempo se passou
Quanta primavera se floriu
Tantas que o tempo levou
Nos ventos que partiu
Quantos sonhos e desenganos
Quanta palavra me calou
Quantas ações sem planos
O tempo não parou
Volto triste e atroz
Sei agora que não existo
Sei agora o que me destrói
Dentro da noite persisto
Mas o silêncio é imenso
Sem sono insisto
Mas não sei o que penso
Sereno crio o pecado
Que me domina e me consome
Desequilibrado
O pecado me infesta
Sufoca-me e me mata
Cheguei tarde, faltou atenção.
Nada me resta
Atrasei-me com a oração.


Leia também
UM GATO NO ESPELHO há 5 horas

Um gato, parado diante do espelho do quarto de sua dona, discutia com...
madalao Infantil 12


Tudo junto e misturado há 12 horas

Tudo junto. Misturado. Animado. Apaixonado. Completamente dado e entreg...
anjoeros Poesias 14


Quando senti vontade de amar... há 12 horas

Prefiro ser acusado de amar demais do que ser reconhecido por ser aquele q...
anjoeros Poesias 9


Meu café há 1 dia

UM CAFÉ SEMPRE CAI BEM...ANTES DO ALMOÇO,DEPOIS DELE... TE FAÇO UM CA...
anjoeros Poesias 14


Ao pé do ouvido há 1 dia

Vem cá, menina... Deixa eu te falar, bem lá dentro do teu ouvido, tudo ...
anjoeros Poesias 15


Poesia viva há 1 dia

AMO VOCÊ,MINHA POESIA VIVA... TRAZES NO CORPO AS ESCRITAS DA VIDA OS MOM...
anjoeros Poesias 12