Extemporâneo

03 de Junho de 2014 NOËL SEMOG Poesias 293

EXTEMPORÂNEO

A felicidade existia neste instante
Procuro-a e não encontro
Ouço uma voz longe, distante.
É a voz deste desencontro
Quanto tempo se passou
Quanta primavera se floriu
Tantas que o tempo levou
Nos ventos que partiu
Quantos sonhos e desenganos
Quanta palavra me calou
Quantas ações sem planos
O tempo não parou
Volto triste e atroz
Sei agora que não existo
Sei agora o que me destrói
Dentro da noite persisto
Mas o silêncio é imenso
Sem sono insisto
Mas não sei o que penso
Sereno crio o pecado
Que me domina e me consome
Desequilibrado
O pecado me infesta
Sufoca-me e me mata
Cheguei tarde, faltou atenção.
Nada me resta
Atrasei-me com a oração.


Leia também
Circunstâncias há 5 horas

Não quero me perder, procurando a perfeição... Ser perfeito em quê? ...
a_j_cardiais Sonetos 30


"A maldade" há 16 horas

De que me serve escrever, inventar, sonhar sem pensar No meu interior me a...
joaodasneves Poesias 7


"Não sei" há 1 dia

Hoje tenho vontade de rir Mas também tenho vontade de chorar Ja nem sei ...
joaodasneves Pensamentos 5


Domínio do Pecado ou da Graça há 2 dias

Se é impossível não pecar enquanto estivermos neste mundo, por que J...
kuryos Mensagens 16


Ventinho Delicado há 2 dias

Uma mulher passa com seu rebolado... Um ventinho delicado faz seu vestid...
a_j_cardiais Poesias 48


Mortos Vivos, Vivos Mortos há 2 dias

O que é viver? Tem gente que tem tudo, e não se sente feliz... Fica as...
a_j_cardiais Poesias 47