O filho pródigo

12 de Agosto de 2011 William Adriano Poesias 426

O filho pródigo
(de William Adriano)

Ele olhou ao longe e sentiu sede
Seus sonhos eram bem maiores
Que o prado que lhe gerou

Teve pra si a carne do próprio pai
Partiu pra seguir seu destino
Acreditando não mais voltar

O vinho ficou mais doce
Os beijos com novos tons
As estradas cobertas de pétalas

Extasiado por paixões vãs
Sob o manto dos prazeres
Encarou a multidão se esvaindo

A harpa calou e o vinho acabou
O cortejo findou na madrugada
E as concubinas se rebelaram

Agora o chão voltou novamente a ser chão
Nem as suas lágrimas matavam sua sede
Mesmo transbordando a taça da solidão

Mirou novamente seu olhar para os astros
Contemplou o caminho que traçou outrora
E fechando seus olhos lembrou-se de seu leito

Diante do portão de suas pueris lembranças
Estando com a garganta seca de palavras
Avistou seu pai com a alma aberta lhe tendo

Foi quando então sentiu verdadeiramente
O saboroso banquete da festa da vida nova
Que celebrava o renascimento do amor

E olhando pra dentro de sua própria vida
Percebeu então que a verdadeira herança
Estava dentro dos olhos... de quem lhe tanto amou


//canticospelapaz.blogspot.com/
Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Deixe Esse Amor Crescer há 8 horas

Deixe esse amor crescer... Ele está brotando em um coração árido. De...
a_j_cardiais Sonetos 28


Ás palavras não são mais meu legado. há 9 horas

Fiz-me silenciar por que te perdi! Tu me revogara a licença concedida, D...
elisergio Sonetos 6


Não há o que comemorar. há 9 horas

Não há de fato o que comemorar! A virgem do sertão não é independente...
elisergio Sonetos 6


A vida depois daqui! há 9 horas

Ver que a morte não é o fim, é o início! Disse-me com amor chamando de...
elisergio Sonetos 6


Os sentimentos podem se quebrar. há 9 horas

Apesar de tudo havia um quê de saudade, Sufocando todos os gritos de desp...
elisergio Sonetos 6


Tantos dedos em riste e nenhuma mão para ajudar. há 9 horas

Havia em mim aquele alto silêncio, E o velho monge insistia em quebrar. ...
elisergio Sonetos 6