Sexto sentido

13 de Agosto de 2011 William Adriano Poesias 309

Sexto sentido
(de William Adriano)

Meus sentidos me alimentam com informações
Tenho fome, tenho alma, tenho sede, tenho gana
Vejo, cada cor dentro de mim
Uma imagem numa perspectiva desenquadrada

Exalo o perfume das manhãs apaixonadas
Que se confundem com o odor da indiferença
Ouço, mas às vezes finjo não ser real

Vou construindo sentimentos
Sobre os escombros da indefinição
Uma figura monocromática
Um deslize do lápis no papel

Nos passos leves me sinto mais completo
Nas loucuras matinais me vejo solfejando
Nas tardes enegrecidas pelo desânimo...
Repentinamente, um sexto sentido me assalta!


//canticospelapaz.blogspot.com/
Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Minha essência é a eternidade. há 4 horas

Manhã cinza dia tão estranho e ruim, Paira no ar uma sensação de fraca...
elisergio Sonetos 5


LAMPEJOS há 4 horas

LAMPEJOS Eu pouco a pouco volto à realidade. Ao acordar, lamento antes...
ricardoc Sonetos 5


Deixe Esse Amor Crescer há 19 horas

Deixe esse amor crescer... Ele está brotando em um coração árido. De...
a_j_cardiais Sonetos 35


Ás palavras não são mais meu legado. há 20 horas

Fiz-me silenciar por que te perdi! Tu me revogara a licença concedida, D...
elisergio Sonetos 7


Não há o que comemorar. há 20 horas

Não há de fato o que comemorar! A virgem do sertão não é independente...
elisergio Sonetos 6


A vida depois daqui! há 20 horas

Ver que a morte não é o fim, é o início! Disse-me com amor chamando de...
elisergio Sonetos 7