Enquanto derramo minhas lágrimas
Minh’alma se renova e vive;
Por quanto extingo de mim presenças remotas
Inda assim tomo consciência de minhas necessidades;
Sarcasmo faz crescer os horizontes
De fora pra dentro;
Poetiza fazendo plantão
Nas longínquas curvas de pensamentos vazios,
Talvez nem me sejam assim tão apreços
Mas me importam mesmo o quanto de mim padeço;
Gênio brincando de ser louco
Mesmo quanto menina tentando viver boneca;
Quiçá eco grunhido num beco
Ou mesmo o reflexo noturno no breu da saudade.