Inquilinos da Terra

15 de Agosto de 2011 José Luis Poesias 531

A esperança e o medo se abraçam,
Poeira e ar se entrelaçam.
O crepúsculo tudo vê!
Dos animais,as feridas escorrem sangue.

Alimentar-se-ão do pouco que os restam.
Máquinas e homens tornam-se um,
Os cegando, rivalizando-os.
O que está por detrás é um colosso!

Alimentando-se de lucros e vomitando juros!
O café que amarga as emoções.
A natureza é privada de seus seres,
Deixando marcas,rastros pelo chão.

Sob diálogos persuasivos,
Tentam lutar,mais o monstro é bem maior!
Armas de fogo são supérfluas sem um pacto!

A fé agoniza,o inimigo é bem maior.
É tão grande que vos cega o coração,
A esperança e o medo se desabraçam.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Lembra? há 8 horas

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 9


Principio há 8 horas

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 8


Viandar há 8 horas

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 7


Fluxo do tempo. há 8 horas

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 10


Sou há 8 horas

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 8


Ame...! há 8 horas

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 6