Te acalma minha  alma
Tanto lamentas por sentir
A agonia do sofrer

Entra em repouso
Como as aguas na praia
Que descansam na areia
Como as rosas

Que o vento faz balançar
Leva consigo o perfume
Te acalma minha alma

Não chores por tantas coisas
Pois a luz brilha no caminho
Como as estrelas solitarias

Que perseguem o romper da aurora
Levando consigo o silencio
Entra na essência dos sonhos

Medita no tempo presente
Mergulha na experiência do agora
E vive a esperança sempre

Clavio J. Jacinto