Pertenço a liberdade, enfim.

12 de Julho de 2014 Bittersweet Prosa Poética 688

Da anarquia deste mundo, menina,

não há quem consiga fugir, esconder-se, 

submeter-se a uma serenidade, paz contínua.

Da delinquência? Está cheio até a borda,

a ponto de derramar-se à infectar o universo.

De coexistência? Há falta, aboliu-se, 

tornando quase inexistente, acredite.


Medos sempre virão, confesso-te,

mas faça-os impenetráveis à tua alma

Não deixes que teu âmago se aniquile,

não permita que sejas infame o teu ser,

atenua-se de tuas aflições, e tua busca

incessante pela liberdade neste mundo insano, 

finalmente chegará ao seu fim.


Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
"A decadência" há 2 horas

Numa decadência sem fim. não paro de cair. Esta tudo muito escuro aqui,...
joaodasneves Poesias 7


"A Parede" há 2 horas

Esta parede que nos separa Tem que cair, assim falaremos de ti de mim Olh...
joaodasneves Pensamentos 5


John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P4 há 12 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Mensagens 6


John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P3 há 12 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 8


John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P2 há 12 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 6


John Owen - Hebreus 1 – Verso 3 – P1 há 12 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Mensagens 6