Na casa fora do eixo

23 de Agosto de 2011 Romano Ruiz Prosa Poética 499

A mão deixou a vulgar estrela de plástico no braço do sofá laranja claro. De um amarelo gasto por muito tempo sem um lugar, às vezes no chão, numa poça de água ou ao lado de um bituca de cigarro, aquele pequeno objeto que não brilhava em nenhum céu chamou a atenção do sujeito sentado, ao acaso, do lado daquele braço sujo e molhado. Mal atento a quem deixou a pobre estrela, que nem estrela é, abandonada em uma superfície qualquer, fitou suas cinco pontas em busca de um pensamento... e encontrou alguém. Para a sorte do inanimado, sua inesperada presença foi o estalo necessário para que o homem lhe arranjasse um lar e uma viagem de primeira classe ao lado de uma frase numa carta - "Tire a semana pra sorrir, pois até o mais ordinário acontecimento contêm em si o poder de desvelar a alma"

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
"Estou triste" há 4 horas

A noite se instala em mim. Lá fora, apenas o silêncio da noite e o teu o...
joaodasneves Poesias 7


"Estou cá a matutar" há 4 horas

Esses dias ando meio triste muito confuso, ando a querer isolar-me, f...
joaodasneves Pensamentos 4


A Humildade nos Cai Bem há 9 horas

Se o domínio total é do Senhor, porque o poder pertence a ele, isto dever...
kuryos Artigos 8


Fuga da Inspiração há 10 horas

Preciso terminar um poema que comecei numa empolgação danada... Dep...
a_j_cardiais Poesias 39


Um Dilema há 11 horas

Estou aqui reclamando da minha "vidinha", enquanto tem alguém por aí que...
a_j_cardiais Poesias 38


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 6 há 13 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 16