Ikiru

01 de Setembro de 2011 Romano Ruiz Prosa Poética 555

Decidiu inventar uma palavra. ZYRUSZASSARUM! Mal sabia pronunciá-la e mesmo assim deu-lhe vinte significado. Observou que não se tratava de uma palavrinha, mas sim um palavrão. A insônia de seus ultimos dias roubou. sonhos e vontade escrever, ou melhor, lidar com as palavras que já existem. Chegou até a invejar o catador de sucatas que sempre encontrava em seu caminho e que escrevia compulsivamente em pedaços de papelão. Revolta das letras que querem seu momento de solidão. Deveria sempre se respeitar a vonatde delas, que por vezes só voltam a estar uma do lado das outras para formar acaso.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Lembra? há 8 horas

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 9


Principio há 8 horas

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 8


Viandar há 8 horas

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 7


Fluxo do tempo. há 8 horas

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 10


Sou há 8 horas

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 8


Ame...! há 8 horas

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 6