Vou começar dizendo que sempre escolhi errado. Manuela, desliga este som! Nem com um Passarim nos ouvidos consigo dar voz as palavras. Quem me dera ser o samurai que sempre quis ser - solitário, um samurai ocidental, misto de Ghost Dog com o frânces de Melville. Ou senão ser apenas sincero e fazer uma mudança no espaço que deixei para o outro. Dentro de mim a pessoa errada, que acabou revelando ser um intruso. Manuela, venha cá! Fui enganado pelo seu sorriso, o reflexo de Erica estava em seus dentes que brilhavam e por isto errei de boca. Deixo passar esta hipnose inadvertida e um tanto estranha em troca de um simples gesto: tirar esta paixão pendurada feito um colar entre seus seios. Ela em meu colo, ligeira, esquenta minha excitação e com suas mãos alisa meu cabelo pergunta o que foi o que está acontecendo. Meus instintos minha cara, sequestro, vitima e ninguém para me salvar. Até então nenhuma confissão apenas o persistente erro e promessa de um relacionamento sério com Manuela.