Revolucionário de pijamas

24 de Janeiro de 2012 Ullisses Salles Prosa Poética 601

Minha covardia é infinita
Simplesmente aceita aflita,
Todo o caos do meu país.

Minh'alegria é indestrutível,
Sempre passa impassível
Pelas praças e nos sinais.

Lá onde vivem crianças,
E velhos sem esperança,
Até que a morte nos dê paz.

Minha fome é insaciável,
Minha ganância indomável,
Diante de tanta miséria,
Eu ainda quero mais.

E a coragem que me falta,
Para lutar de verdade,
Me sobra na vaidade
Ao escrever cada palavra.

Portanto não se aborreça,
Com aquilo que eu te digo,
Sou apenas um mendigo,
Sem vontade nem nobreza.

Sou mais um em meio a tantos,
Que brada pelos cantos,
Mas no fundo nada faz.

Sou como você leitor,
Diante do monitor,
Ou em frente à TV.

E a mentira escancarada,
Já não nos revolta em nada.
É a verdade que ninguém vê.

Enviado por Ullisses Salles em 07/06/2007
Reeditado em 09/06/2011
Código do texto: T516954

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Uma Tal Pedra há 9 horas

No meio do caminho de muitas famílias, agora tem uma pedra... Tem uma...
a_j_cardiais Poesias 19


Mundo da Gataria há 9 horas

Gato criado com mordomia, não conhece o mundo da gataria. Não sobe nos...
a_j_cardiais Infantil 35


A história do amor há 10 horas

A história do amor O amor sempre existiu Em muitas formas Em várias ...
pfantonio Poesias 25


AFRO-AMERICANO - Des-História Universal há 10 horas

AFRO-AMERICANO Terra da Liberdade, a Norte-América Tornou republicana ...
ricardoc Sonetos 5


"Primeiro encontro" há 15 horas

Olha, te recordas da primeira vez que eu te vi? não foi só pra me distr...
joaodasneves Mensagens 7


John Owen - Hebreus 1 - Versos 4 e 5 – P3 há 21 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Mensagens 9