A lenda do rio

24 de Janeiro de 2012 William Adriano Prosa Poética 657

A lenda do rio
(de William Adriano)

Coração endurecido feito rocha, mas que ao ser cravado pelo punhal da paixão, uma fenda se formou na pedra outrora impenetrável.

Antes um coração seco e estático, agora marcado e fendido. Tendo de seu sinal de fragilidade, brotado um gotejar de esperança.

Pois realmente fura! Pedra dura que açoitada pelo gotejar infindo. Logo o coração se arreganhou e dele jorrou um rio novo, uma nova esperança.

Do alto da montanha um fio de água deslizava pelas encostas, desenhando no relevo uma nova história.

Tudo aconteceu somente por um leve toque de um punhal! Sim, leve! Pois o punhal era feito de sentimento. E depois de sua fenda, mudou a história da montanha.

Da rocha, um fio. De um rio, uma vila. De um povo, um sonho. De uma história, uma lenda... um coração ferido, que de uma paixão que marcou o chão com um rio de lágrimas, deu origem a lenda de um povo.


Copyright © 2012. Todos os direitos reservados.
//canticospelapaz.blogspot.com/

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Lembra? há 2 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 21


Principio há 2 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 13


Viandar há 2 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 11


Fluxo do tempo. há 2 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 14


Sou há 2 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 12


Ame...! há 2 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 11