Andorinha

20 de Fevereiro de 2012 JWILER Prosa Poética 1048

Todos haviam partido.
Fiquei só, olhando à minha volta.
As laterais da quadra inseridas numa imensa floresta.
Perto da arquibancada, um buraco no barranco de terra desnuda.

Andorinhas singravam os céus.
Uma delas, num vôo rasante, entra no pequeno buraco.
Como um gato, escalei o perigo.
Enfiei todo o meu antebraço direito até sentir suas penas macias.
Calor e aconchego. Era seu ninho.

Fechei minha mão suavemente, aprisionando seu excitado coração.
Instantes de dor e de paixão.
Refleti!
Eu querendo-a para mim.
Ela querendo a liberdade.

Paradoxo. Ela, meiga e carinhosa. Eu, o mais temível dos predadores.
Não ia dar certo. Éramos de reinos diferentes...

Abri a mão e dei o impulso.

Restou o céu azul da liberdade.


jaeder wiler

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
" Amar é" há 2 horas

Amar e como voar, no mais azul dos céus. É sentir a sensaçao de estar n...
joaodasneves Poesias 4


PAU DE FITAS há 7 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 4


PAU DE FITAS há 7 horas

PAU DE FITAS Dançam as raparigas cá em roda D'um mastro d'onde fitas ...
ricardoc Sonetos 3


Falta de Amor ao Próximo há 11 horas

A razão de viver é amar... Mas a maioria das pessoas vive o amor ao din...
a_j_cardiais Poesias 32


Amor a Deus x Amor ao Mundo há 12 horas

Nos dias do autor não havia automóveis como os luxuosos que existem em no...
kuryos Artigos 8


A Origem e a Razão de Ser de Tudo há 17 horas

Deus não criou todas as coisas para depois intentar formar uma Igreja. Ao...
kuryos Artigos 16