Tua deslumbrante beleza,
Tão óbvia e simples a olhos outros,
Distrai e esconde, entretanto,
Tanto!

Consigo, porém,
Mergulhar além:
Quero e viajo ao fundo de ti
De tua alma de artista
De tua mente aguda
Segredos, sentidos e sentimentos.

Meus olhos de bardo,
Terra escura e macia,
Reconhecem e evocam
A magia da vida.

Percebem em teus vívidos céus,
Da mais clara delicadeza,
Deliciosa densidade,
Detalhes divinos
E femininos.

Inclusive nas majestosas evidências
De tuas ricamente cromáticas
Formas matemáticas.

Contigo, perfeitamente imperfeita,
Poetisa e musa, mulher e fêmea,
Exuberante, irretocável,
Vou até o fim.