Refúgio

25 de Março de 2012 Branca Tirollo Prosa Poética 547

Sou apenas uma pena, que sobrevoa serena, que leve pousa sob pena, a encenar a minha própria cena. Sou a situação do dia encenado, na hora da escrita, da fonte calculada, dos minutos contados; dos segundos perdidos do nada.
Sou a voz que grita submissa, presa as palavras, no eco dos gritos. A sombra que revela os meios e compõe os fins. Sou a leve pena que sobrepõe o infinito. A esmagar assim, meu Ser.
- Sem aplausos.

( Do livro: A Magia da Solidão)

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Lembra? há 2 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 21


Principio há 2 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 13


Viandar há 2 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 11


Fluxo do tempo. há 2 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 14


Sou há 2 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 12


Ame...! há 2 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 11