(HOMEM-DE-RUA) reles anhangá

09 de Abril de 2012 tovaga Prosa Poética 674

Autor: Masilan Tovaga Hâesvao

Sou um reles anhangá,
Tafulo de recôndito,
De brocardo atilado,
Cheio de leniência.

Com a comborça,
Da minha acu,
Que me deu gáudio,
E muitos rebenditos,
Em todos os estamentos.

Na jaça, somos eqüipolentes,
Na víspere, somos conspícuos.

Temos uma vergôntea lene,
de Olhos anilados,
Cabelos lúria,
Tem elucubração fim-de-século,
Nós e a nossa vergôntea, temos
Planturosamente, um lídimo latria
entre nós.

emai: Antonio da Silva Magalhães
26/08/2002

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
PLEONÁSTICO n°2 há 13 horas

PLEONÁSTICO n°2 Encarasse de frente, não soslaio... Talvez, olhos no...
ricardoc Sonetos 4


ANTIFACISTA há 15 horas

ANTIFACISTA De irrestível apelo aquela união De fortes se fazendo 'in...
ricardoc Sonetos 4


A rua me aceita como sou há 18 horas

A rua me aceita como sou (Livro Poesias Reflexivas- Antonio Ferreira) N...
pfantonio Poesias 54


Não seja superficial há 19 horas

Não seja superficial (Antonio Ferreira-Livro Poesias Reflexivas) Olhe ...
pfantonio Poesias 70


"Dia do amor" há 21 horas

Amanhã é o dia reservado ao Amor, E a fragrância das flores confunde-s...
joaodasneves Poesias 12


"Estou triste" há 1 dia

A noite se instala em mim. Lá fora, apenas o silêncio da noite e o teu o...
joaodasneves Poesias 14