Casa D’alma

01 de Maio de 2017 B. Karvalho Prosa Poética 286

O hoje é ela e dela vem às pequenas verdades.
Não sei se você me entende é diferente.
Minha fraqueza e a tua beleza não me entenda mal.
Mas arrancares a minha alma e deixastes aos teus lobos.
Sou um tolo a aceita tuas palavras com boa féh.
Todo vez que sigo teu rumo à tempestade aumenta
Iá carrego a minha tormenta e não devo aceitar a tua marca.
Foi os benditos olhos verdes.
Perdi-me na imensidão de uma realidade inexistente.
Construí esse mundo.
Dei fundação e alvenaria.
Nas paredes a decoração de todos os nossos sonhos
e no concreto frio me deixaste na minha Casa D’alma.
Procurei respostas, criei novos mundos, recriei a tua sombra
Mas nunca repliquei a tua luz.
Vivo satisfeito em uma nova vida.
Mas ligeiramente infeliz quando me lembro da tua existência.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
SETE ESTROFES INCONDICIONAIS há 3 horas

SETE ESTROFES INCONDICIONAIS não importa que me tomes ...
ricardoc Cirandas 9


A PROFECIA há 11 horas

Andava tranquilamente pelas ruas da cidade, de calça jeans e camisa branca...
juniorcampos Prosa Poética 10


LINDO BRILHO há 11 horas

Ontem olhei para o céu, brilho forte das estrelas, lembrou-me teus ol...
juniorcampos Poetrix 7


TRAQUINAS há 2 dias

TRAQUINAS Dizia o pai de seu pai: -- "Deixa esse menino ser criança!" ...
ricardoc Poesias 18


Padrãozinho na Sociedade. há 2 dias

Apenas mais uma despercebida na sociedade, anda pelas ruas solitárias de S...
baecchin Pensamentos 21


Cortinas Do Tempo há 2 dias

Abriu se a cortina do tempo E o sol da minha vida começou brilhar Diante...
tonyramos Letras de Música 11