Casa D’alma

01 de Maio de 2017 B. Karvalho Prosa Poética 310

O hoje é ela e dela vem às pequenas verdades.
Não sei se você me entende é diferente.
Minha fraqueza e a tua beleza não me entenda mal.
Mas arrancares a minha alma e deixastes aos teus lobos.
Sou um tolo a aceita tuas palavras com boa féh.
Todo vez que sigo teu rumo à tempestade aumenta
Iá carrego a minha tormenta e não devo aceitar a tua marca.
Foi os benditos olhos verdes.
Perdi-me na imensidão de uma realidade inexistente.
Construí esse mundo.
Dei fundação e alvenaria.
Nas paredes a decoração de todos os nossos sonhos
e no concreto frio me deixaste na minha Casa D’alma.
Procurei respostas, criei novos mundos, recriei a tua sombra
Mas nunca repliquei a tua luz.
Vivo satisfeito em uma nova vida.
Mas ligeiramente infeliz quando me lembro da tua existência.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
CONTOS DO ANDARILHO A MULTIPLICIDADE NA UNIDADE. há 1 dia

CONTOS REFLEXIVOS DO ANDARILHO ...
paulocesar Acrósticos 14


A Motivação Correta há 2 dias

“Pois o pecado não terá domínio sobre vós, porquanto não estais deba...
kuryos Artigos 18


A CALÇADA DE PEDAÇOS DE OUTRAS CALÇADAS há 2 dias

Ele acreditava em seu mundo; seu mundo, também esperava por ele. Ele se...
paiva Poesias 31


Ir, importa mais que a direção. há 2 dias

Vens, ama-me de vez em quando, Ainda quem sem tanto interesse. E assim pe...
elisergio Sonetos 16


A CASA DE BARRO há 3 dias

A CASA DE BARRO Por Roosevelt Vieira Leite A casa de barro de minha cun...
paiva Poesias 39


MULHER-ESPETÁCULO há 3 dias

MULHER-ESPETÁCULO Ela sozinha vale já o ingresso!... Seminua no palco...
ricardoc Sonetos 23