E digo somente o que já vivi, outras vezes o que sonhei ou gostaria que fosse real.
Dos meu pés, dos espinhos e pegadas... que ficaram pra traz.
Das lágrimas que escorreram , mancharam o papel e secaram.
De cores, de tintas ou de lágrimas, as manchas sempre ficam pra traz.
E transcrevo talvez o que seja a verdade da vida.
E verdade, bem..., verdades me deixam na incerteza, afinal ao afirmar-se verdade, corre-se enorme risco de mentir.
As maldições da humanidade, são por vez aquilo que nos torna tão humanos.
Corrigir os erros, será sempre difícil e tarefa infindável.
Mas é preferível que se siga adiante, caminhando mesmo que errando - Ainda assim, é melhor que estar parado.
Que os medos e paixões humanas não lhe impeçam de seguir!
Que não seja a ganancia por tudo que se deseja, a espada que fira sua paz.
Sem conquistar os próprios sonhos, de nada adianta tanto sangue.
Das maldições deste mundo, colecionar pesadelos e amarguras - Talvez seja a pior.
Pessoas simples - Pessoas. Tão complexas como elas só.
Tão únicas, e seria ótimo dizer... Tão únicas e tão felizes. Breve sonho de um enorme desejo!
Deixe a angústia e o passado pra traz , deixe também o futuro lá na frente.
Na depressão por passado ou por antecipação - Não é a melhor forma pra se sofrer.
Abra um olho... Agora o outro... Eu sei! Tanta luz assim, as vezes dói.
E aqui estamos, não há nada que se possa fazer a respeito!
E já que é assim, que seja!