Meu Fim

05 de Setembro de 2013 Elias Lima Prosa Poética 1155

Sempre tentando fugir
Mas eles sempre me encontram
Preenchendo o meu vazio.

Em meio à tantos gritos e sombras
Tudo está destruído agora
Não há uma alma nem um espírito
Mas um corpo entorpecido de angústia e traumas.

Não há mais mais tempo para a redenção
Todos nós matamos Deus de decepção
Não há onde correr
Não há estrada
Somente uma prisão em nossas mentes.

E eu não posso mais
Eu quero o amor de volta
Quero poder sorrir de novo
E sentir a paz em meu espírito.

Todos os anjos estão caindo
Sangrando em minha frente
E não há nada que eu possa fazer
A não ser fechar os olhos e me esconder.

Fantasmas obsessivos invadem minha mente
Querendo me jogar no abismo da morte
E eu me entrego com lágrimas de sangue
E sorrio em meu fim.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Lembra? há 4 horas

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 9


Principio há 4 horas

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 8


Viandar há 4 horas

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 7


Fluxo do tempo. há 4 horas

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 9


Sou há 4 horas

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 8


Ame...! há 4 horas

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 6