A porta do meu quarto se fechou novamente
Eu, acreditando naquela luz queimando em meus olhos de beleza diante daquela estrela
Me deixei hipnotizar,
Me deixei vencer,
Me deixei enfeitiçar
E nesse encantamento fui me perdendo
Esquecendo mais uma vez que tudo que um dia chega, se vai
E a alma se iludiu
E um frio congelante novamente sentiu.

A alma cansada de se defender
Cansada de se fechar e de se esconder
Decidiu respirar, abrir as janelas e sonhar.

Sentiu na queda iminente, todas as feridas se abrirem novamente
E pôs-se a sangrar infinitamente.
O inferno do espírito é ser expulso do céu que criou para si e não encontrar uma saída para aliviar essa dor que vai matando todos os sonhos aquecidos com a ilusão de um amor.