A Vida como um Rio

03 de Novembro de 2013 Elias Lima Prosa Poética 1857

Sinto a vida correr feito um rio
Sinto a vida escorrer entre as duras pedras
Sem controle.
Sinto a vida escorregando de minhas mãos
Eu sinto a morte abrindo um caminho.

Sinto a vida fugindo da minha ilusão
Eu não encontro uma razão, nem um lugar,
Nenhum caminho certo ou seguro
E sinto as sombras me tocarem suavemente como um amigo
Eu sinto a morte me beijar.

Eu sinto a vida desvanecer entre os meus delírios sadios
Sinto- me perdido e livre em mim mesmo
Perdido nesse escuro crônico em minha alma
Livre em minha insanidade para suportar tudo isso.

Sinto medo de mim
Medo do desespero do vazio
Este que me assombra todas as noites e traz consigo seus espíritos obsessivos
Eu me sinto só nessa escuridão
E sinto frio
Então eu me congelo nesta solidão sem nenhum resquício de esperança
E os meus piores medos me abraçam docemente e me sufocam
E eu não os domino.

Sinto as águas furiosas da vida quebrando em meu espírito
Me sinto fraco, me sinto à margem de meus inimigos
E não respiro.

Sinto os meus sóbrios pensamentos se afundarem em minha consciência obscura
Sinto o Anjo da Morte me acenar com um sorriso de fuga
E sinto pesar em minha alma fraca todos os sonhos destruídos
Sinto o pesar todos os meus traumas vividos.

Eu sinto a vida fracassar
Sinto suas águas levando tudo que eu sonhei
Tudo que eu tanto lutei para evitar
Sinto a vida me deixar a cada vez que vejo uma criança chorar
Então eu sinto o sol escurecer
E sinto a noite me levar de volta às sombras.
Ali parece ser o meu lugar desde sempre.
Ali parece ser o meu lugar desde o meu primeiro suspirar.

Sinto pálida a vida
Eu sinto sua força e grandeza me puxar
Então eu caio nas profundezas desse rio que tanto me fascina e me enfeitiça
Eu sinto a força da vida me levar
Estou indo cada vez mais fundo para respirar sem me machucar
Posso sentir a beleza da vida em sua essência me tocar alegremente
E eu me afundo cada vez mais
E eu não quero mais voltar.
Estou indo em busca de um outro lugar, uma outra vida
Longe de tudo isso que eu senti e vivi
Longe de tudo isso que nunca consegui suportar.
Eu achei uma saída.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
"O fim esta a chegar" há 6 horas

Alguma coisa na nossa casa não esta bem e eu já vi que tu pensas assim ...
joaodasneves Pensamentos 6


Calmaria das Horas há 8 horas

A vida me mostra um relógio... Luto contra o tempo. O tempo é longo mas...
a_j_cardiais Poesias 26


Prazeres Desalmados há 8 horas

Tem gente que só se apraz em ganhar dinheiro... Mas essa gente o que faz...
a_j_cardiais Sonetos 18


GRECO-ROMANO - Des-História Universal há 17 horas

GRECO-ROMANO Os deuses se confundem nas histórias Dos povos que se fun...
ricardoc Sonetos 8


John Owen - Hebreus 1 – Versos 1 e 2 – P4 há 19 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 6


John Owen - Hebreus 1 – Versos 1 e 2 – P3 há 19 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 7