A dissidência, o arco e o velho lobo.

06 de Abril de 2014 FKarvalho Prosa Poética 661

olhe nos meus olhos. Ainda há vida. Sinta minha dor. Arranque essa duvida. Tenho a vergonha e a dissidência de me redimir. Passo pelo arco e encontro o velho lobo. Ele renega a minha entrada. E me leva ao escuro hades. Navego pelas duvidas ainda sinto as dores dos cortes. Na face a marcas do passado. Hoje entrego-me a dor, por que ainda tenho um coração. Mesmo com as espada em punho não há ímpeto sanguinário. A luz cinza se tona negra, áspera, sinta o odor fétido das escolhas erradas. Eu caminho pelo solo sagrado a procuro do meu novo lar. Não a uma parte que possa ser minha. Então me mantenho só. Sim já havia anunciado. Sabia que esse momento chegaria essa foi a “dissonância” mencionada. Toda vez que penso será, Poderia? A certeza me vem como uma flecha cravando-se no meu corpo cansado. Incinere-me amor. Jogue-me ao vento do norte para que nunca mais eu possa voltar

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Pelo Espírito há 4 horas

Nada do que Jesus cita no Sermão do Monte nos capítulos 5 a 7 do evangelh...
kuryos Acrósticos 4


A Linha da Vida há 7 horas

O futuro é daqui a pouco, mas talvez não possamos vê-lo. A vida é com...
a_j_cardiais Poesias 27


Obedecendo o Vento há 21 horas

As folhas caem, e eu quero falar sobre isso, sem me preocupar com o feiti...
a_j_cardiais Poesias 38


"Verão na Europa" há 23 horas

Hoje começou o verão Mas todos os dias, são dias de verão O verão na...
joaodasneves Poesias 8


"Maria Emília" há 1 dia

Meu amor Antes de tu nasceres Raramente eu pensava em ti Iria com o pass...
joaodasneves Acrósticos 9


"Sou" há 1 dia

Sou o livro sem palavras Sou a historia por contar Sou o céu sem estre...
joaodasneves Acrósticos 10