Tenho aceitado as tuas vontades

sem questionar. A um bem maior

onde a de existir a moralidade

Sem medo, sem culpa. 

Apenas a verdade nua e crua

Morto o efeito ao que eleva o êxtase

Morto o efeito a quem nos torna deuses

Morto o efeito a quem não aceita os erros

Morto o efeito de quem fere a consciência

Não tinha tempo. Era puro e belo

havia o desejo e libertação 

criei um universo cheio dos teu caprichos

e depois me  perdi

Morto o efeito ao que eleva o êxtase

Morto o efeito a quem nos torna deuses

Morto o efeito a quem não aceita os erros

Morto o efeito de quem fere a consciência

Quando se esta so. Não a duvidas quem merece sobrevier

pule do prédio mais alto. E mesmo assim serás atingindo

pelas velhas lembranças. O que se guarda e alma e não corpo

Morto o efeito ao que altera a consciência

Morto o efeito a quem nos torna falhos

Morto o efeito a quem não aceita os desejos

Morto o efeito de quem se desfaz de si