Film Socialisme

14 de Agosto de 2011 Romano Ruiz Prosa Poética 517

Disse para ela, enquanto esfiapava a linha que segurava o botão reserva de sua camisa, lentamente, o espreguiçar de um gato, que é preciso se renovar para acordar novo. Pra ele, quando se sai ás sete horas da manhã de casa e se volta ás onze da noite, se está velho. E na noite do amanhã, após um dia tumultuado, e o descanso apropriado, desperta-se novo novamente. Dê o silêncio para receber do outro.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Lembra? há 3 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 21


Principio há 3 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 15


Viandar há 3 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 13


Fluxo do tempo. há 3 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 16


Sou há 3 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 16


Ame...! há 3 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 13