E então acordamos, era um lugar lindo, um lugar harmônico, onde haviam longos pinheiros e lindas caducifólias, sem folhas; era inverno. Acordamos ambos animados, era uma manhâ linda, saímos e nos deslumbramos com esse dia maravilhoso, havia um sol alvo, repleto de núvens ao redor, era um sol diferente, ele não incomodava, ele apenas iluminava, e fazia com que as almas dos dois se aquecessem, levemente. Caminhavamos sobre a grama um pouco molhada pelo orvalho, o verde ao nosso redor nos dava uma sensação de paz. E de estávamos sozinhos, mas não sozinhos. Não completamente sozinhos. E então, após andarmos um tanto. Ela pegou minha mão, ela me disse num tom claro, porém suave e calmo.
- Klaus, eu amo você, eu estou feliz.
E então, ela se inclinou e agarrou-o pelo pescoço e o beijou. Enquanto ele apenas a segurada firmemente pela sua cintura. Foi um beijo intenso,devagar, puro e sereno, um beijo com muitos tons, que só haviam o objetivo de caracterizar um sentimento pertencente a ambos em forma de ato, em forma física. Preenchido de felicidade, assim como todos os dias ao lado dela, fomos interrompido. Um menino, um menino de cabelos loiros e olhos claros, de uma pele alva como o luz do luar, com traços felizes e o olhar sólito de grande alegria. O pequeno Lucas me puxara as calças sutilmente, ele me chamara. E dizia que a Scheron acabara de acordar, subitamente, o garotinho saia aos pulos, voltando para a casa de onde havia vindo. Me volto a fitar o rosto de Luxanna, eu não mais a seguro pela cintura, porém, eu a abraço, aspirando conseguir tomar o contorno de sua linda forma, firmemente. E eu a digo, que eu não poderia desejar coisa melhor do que este momento. Do que todos os momentos que vem me proporcionando. Eu digo, Eu te amo. E nós voltamos para a casa, para o nosso lar.