O Mal Desnecessário

27 de Julho de 2011 Miguel Angelo Redações 769

Tema: Transição das relações de trabalho, globalização.
Enem-2010
Grécia Antiga, Império Romano, Feudalismo e Mercantilismo, da criação da democracia à conquista da América as condições escravocratas e insalubres de trabalho foram vistas como algo fundamental para sustentar o comércio. Os meios de produção em larga escala necessitaram, para alcance e sustentação de um crescimento geométrico, que cada vez um número maior de pessoas trabalharem maior número de horas por um valor ínfimo.
Um dos conflitos de maior duração foi o pelo controle do comércio no Mar Mediterrâneo entre Esparta e Atenas. Esse foi o momento em que as sociedades pararam de produzir conforme suas necessidades e sim em demasia para um crescente mercado externo. Para tanto, as castas mais humildes aumentaram junto ao acumulo de bens. Ora por dívidas, ora por espólio de guerra o trabalho das “minorias” favoreceu as condições de vida das elites em detrimento das suas.
Com o advento do cristianismo, transição do Império Romano para feudos, as elites do momento, o clero e a nobreza, manipularam os servos, já não escravos, através de um idealismo que almejou a paz social, conformismo, entre as classes sociais. Com o mercantilismo o trabalho escravo aparece novamente como combustível e pilar fundamental do desenvolvimento de Portugal e Espanha. Mas é com a Revolução Industrial que as relações de trabalho irão mudar de forma radical, é aqui, com a atual elite (burguesia), que o trabalho passa a ser deliberadamente regulamentado, mesmo com suas imperfeições, e o trabalhador passa a ter voz a papel social.
O risco de um retrocesso nas relações de trabalho é possível na globalização, pois o capitalismo favorece o acúmulo de renda nas mãos de poucos. Para tanto, foram criadas órgãos de fiscalização internacional OIT (Organização Internacional Do Trabalho) e nacionais como o Ministério do Trabalho e Ministério Público, é indispensável o aumento da fiscalização e promoção destes órgãos, principalmente nas regiões mais pobres. Porém as medidas de proteção aos trabalhadores serão pouco eficazes sem ao menos uma distribuição de renda justa. Enquanto pesquisa de Outubro/dezembro da Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde do Ministério da Saúde (SVS-MS) de 2010 mostra Macaé, periferia de Natal com 60% da população ganhando menos de R$ 300 mensais, ao mesmo tempo em que o Almanaque Abril 2011 calcula em 1,6 trilhões em 2009 o PIB (Produto Interno Bruto) nacional. As realidades devem e podem mudar, e o trabalho escravocrata e insalubre já não pode ser visto como um mal necessário.
Miguel Angelo Sena Da Silva Junior

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
LUTA ARMADA há 20 horas

LUTA ARMADA Aqueles tidos como imprescindíveis Pelo afã de lutar toda...
ricardoc Sonetos 5


Paz Celestial há 1 dia

Paz na alma é muito mais Do que paz de mente... pois passa desta par...
kuryos Artigos 13


Poema Rosa Para um Dia de Sol há 2 dias

A Rosa Emília A Rosa que an...
a_j_cardiais Poesias 61


Poema Suado há 2 dias

Estou num deserto de inspiração... Nada passa por aqui... Nem ladrão. ...
a_j_cardiais Poesias 50


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 3 há 2 dias

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 22


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 2 há 2 dias

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 16