Resenha do livro de MONTGOMERY; C. A. PORTER; M. E.
Montgomery e Porter frisam a importância da definição de uma estratégia bem fundamentada, já que, o aumento da concorrência exige das organizações o estabelecimento de caminhos claros a serem seguidos, ter uma estratégia é uma necessidade e não um luxo, principalmente por conta da queda das barreiras ao comércio internacional. Para os autores “Estratégia é a busca deliberada de um plano de ação para desenvolver e ajustar a vantagem competitiva de uma empresa”.
Para lidar em um ambiente competitivo, é necessário uma análise mais sofisticada e um plano de ação. Consiste em escolher ou criar um contexto ambiental em que as competências e recursos da empresa possam produzir vantagens competitivas. Andrews e Christensen trazem uma idéia unificadora e holística de se enxergar e trabalhar a empresa. Onde a estratégia é ligar e coordenar as áreas funcionais de uma empresa, a qual era relacionada ao ambiente.
O trabalho central dos autores foi a noção de adequação entre as capacidades únicas de uma empresa e as exigências competitivas de uma indústria que a distinguia das outras. Destacam, entre outros, que o fator tempo é considerado uma vantagem competitiva. As empresas líderes de mercado utilizam o gerenciamento do tempo como uma poderosa fonte de vantagem competitiva. Porter já tinha afirmado que há dois tipos básicos de vantagem competitiva: liderança no custo total e diferenciação. “As empresas conseguem vantagem competitiva ao conceber novas maneiras de realizar atividades, empregando novos procedimentos, novas tecnologias ou diferentes insumos” (PORTER). O modelo de Porter, considerando os fatores diretos e indiretos de competitividade, torna-se bastante útil no estudo de mercado, como forma de estruturar as variáveis, subsidiando inclusive a análise de cenários.
O potencial de lucro e crescimento, de um determinado setor, são limitados por uma a relação preço/desempenho oferecido por um produto substituto. Ou seja, quanto mais atrativo for essa relação, maior a exposição ao risco de um substituto terá uma determinada empresa ou setor.
Cada vez mais, as unidades de negócios e as empresas devem competir globalmente. Estratégias globais envolvem não só a venda em todo o mundo, mas também produzir e até mesmo realizar pesquisas em mais de um local. É, ainda, essencial para uma sociedade para compreender a estrutura da sua indústria e se posicionar para obter uma vantagem competitiva sustentável. Cito também a estratégia de de internacionalização abordada por Ansoff. Essa tipologia observa que as necessidades dos consumidores de cada nação tendem a ser diferentes, neste sentido deve-se considerar os aspectos culturais, políticos e econômicos de cada nação. Deve-se atentar sobre a abordagem com o cliente, com novas idéias de negócios e novas orientações em suas ações.