Revendo o filme The Cell notei que toda ambientação dentro da mente do assassino Carl Stargher acabava sendo mais bem construída que o thriller em si. Era algo diferenciado. Fui atrás para saber quem era o diretor do filme e me deparei com o indiano Tarsem Singh. Era mais conhecido por ter dirigido o clipe Losing my Religion, do R.E.M.. Além do acima citado, havia apenas mais um filme dirigido por ele: The Fall. E posso dizer que se mostrou uma bela surpresa esse achado.

Los Angeles, começo do século XX. Alexandria, filha de imigrantes europeus trabalhadores de laranjais,  está internada em um hospital após uma queda em que fraturou o braço. Agora engessada, passa os dias vagando pelo hospital. Certo dia encontra o dublê de cinema Roy Walker, também vitimado por uma queda, mas com conseqüências mais graves.  Começa  assim uma amizade de ocasião.

Roy começa a contar algumas histórias para prender a atenção de Alexandria. Sempre com uma atmosfera teatral e épica, mesmo que infantilizada.  Com o passar dos dias, a condição médica, e emocional, de Roy começam a influenciar nos rumos de sua história. Roy acaba vendo no suicídio uma opção para sua paralisia e problema amoroso.  Começa então, a usar a pequena Alexandria para alcançar a auto-aniquilação. Morphin3.

A imaginação de Alexandria, e seu sotaque carregado, caracterizam positivamente sua personagem. O mundo real de Alexandria ilustra a narrativa de Roy. Ai de quem não notar que o traje de Raio X do hospital acaba virando  a armadura da guarda de Odious.

Quando os rumos, ou pequenos detalhes, da história não lhe agradam, Alexandria trata logo de dar pitacos para Roy.

Em The Fall, a imaginação infantil e a realidade contundente se encontram com maestria. Esse andamento me lembrou El laberinto del Fauno, de Guillermo Del Toro.  Diretor que sempre trabalha bem a questão da infância e seu conflito com a realidade. Vide Cronos, ouEl Espinazo Del Diablo.  Quando o assunto é  a teatralidade, The Bride Princess, de Rob Reiner, parece ter sido uma referência.

São poucos os filmes que conseguem dosar a combinação entre a estética exuberante com um roteiro competente. The Fall consegue…Tarsem consegue. Ao final ainda encontram espaço para uma bela homenagem aos dublês de cinema.

Tarsem agora filma seu terceiro longa: The Immortals. Um épico grego que em suas mãos torna a expectativa maior.

The Fall é de 2006, mas chegou ao Brasil somente em 2009 direto em DVD. O título nacional é o estúpido “Dublê de Anjo”. Demoram três anos para lançar um filme e quando sai é dessa forma ridícula. Habemos torrent.

Vejam!



http://exortar.wordpress.com/