CLAMOR

24 de Janeiro de 2012 Maria Hilda Rondel 715

Justiça! Vivo clamando aos quatro ventos.
Silêncio! Porque resposta eu não mereço.
Quem nos livrará desses momentos?
Diga-me a quem procurar que eu agradeço.

Tanta dor e selvageria eu não esqueço,
E vem o governo com fracos argumentos...
Justiça! Vivo clamando aos quatro ventos.
Silêncio! Porque resposta eu não mereço.

Arma-se a arena dos longos julgamentos,
Vencedor sai o marginal e eu enlouqueço.
Não adiantam, das famílias, os lamentos
Pela vida do povo o poder não tem apreço,
Justiça! Vivo clamando aos quatro ventos.

15/02/07.


Leia também
A Origem e a Razão de Ser de Tudo há 4 horas

Deus não criou todas as coisas para depois intentar formar uma Igreja. Ao...
kuryos Artigos 6


ETERNAL (rondó) há 16 horas

ETERNAL (rondó) Não o poeta, sim a poesia Em cada verso haveria- De ...
ricardoc Poesias 7


Sintomático há 22 horas

Divagando pela favela, penso nela olhando a aquarela do sol se pondo. ...
a_j_cardiais Sonetos 41


"Minha humilde casinha" há 3 dias

Tenho na minha casa Quatro cadeiras e um colchão Uma mesa, e roupas pelo...
joaodasneves Poesias 21


Se Poema For Oração há 3 dias

Senhor, este poeta perdido vem Vos fazer um pedido: dai-me Vossa paz. ...
a_j_cardiais Poesias 81


"Bailei com a solidão" há 3 dias

"Bailei com a solidão" A beira do mar espero a Solidão E escuto ja o ...
joaodasneves Acrósticos 19