A Arte de Amar

08 de Agosto de 2014 A.J. Cardiais Sonetos 317

Quando ela me disse assim:



V’OMBORA!



Eu pensei: meu Deus do céu, e
agora?



Pra quê que eu fui


Fustigar essa mulher?



Eu não queria nada mais



que um cafuné,



um chamego...


Agora estou pedindo arrego,



porque não soube



como falar...


Como eu poderia imaginar



que ela queria “ir fundo”



em se tratando de amar?


A.J. Cardiais



04.04.2009

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Lembra? há 2 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 14


Principio há 2 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 11


Viandar há 2 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 10


Fluxo do tempo. há 2 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 11


Sou há 2 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 11


Ame...! há 2 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 10