Não escrevo poesia...
Descrevo sentimento.
Faço uma “fotografia”
do meu momento.

Algumas vezes escrevo
uma trova vazia.
Outras vezes descrevo
sobre minha monotonia.

Quando estou “por um fio”,
escrevo um poema arredio
cutucando o parlamento.

Quando estou inspirado,
escrevo um poema bordado
com chuva, sol e vento.

A.J. Cardiais
15.08.2011