Preenchendo Vácuo

15 de Setembro de 2014 A.J. Cardiais Sonetos 271

Escrevo o que brota.
Sou o mal educado
que, quando arrota,
tenta transformar em poema.

Sou o tecido que amarrota
e precisa ser passado
para "aparecer"
bem comportado.

Sou o pecado das letras,
o olho nas gretas,
a língua solta...

Sou o soneto caído,
o poema perdido,
a poesia torta.

A.J. Cardiais

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Equação do Amor há 2 horas

Corre pra mim... Talvez eu ainda não saiba o que é o amor; Não tenha ...
a_j_cardiais Poesias 32


Qual é a Nossa Parte? há 11 horas

O conceito arminiano de que devemos fazer a nossa parte para que Deus pos...
kuryos Artigos 5


"Lagrimas" há 13 horas

Um silêncio triste e profundo Uma lágrima caiu Na tarde fria, e escura ...
joaodasneves Poesias 6


Realidade, Deixe-me Sonhar há 14 horas

Ah, realidade, realidade... Você não respeita minha privacidade. Vo...
a_j_cardiais Poesias 36


"és nada" há 18 horas

Como me pude apaixonar De um alguém como tu Passado pouco tempo pude con...
joaodasneves Pensamentos 9


"Ela mora" há 19 horas

A minha unica paixão é a solidão, ela vive na minha casa, e mora bem ...
joaodasneves Pensamentos 10