A PUTREFAÇÃO DE UM AMOR.

05 de Janeiro de 2012 Wálysson Luan Amorim Sonetos 624

Dentre os olhares da tarde, menina!
Flertei teus olhos unido ao calor
O suor rompia com minha blusa fina
E eu vagando num frio cobertor

Abre-se a noite como uma cortina
Em tom escuro trescalando amor
A veste pura sendo posta em cima
Do sol feroz, ò místico opressor

Após o banho, em ato de alvoroço
Trajando a luzente veste do armário
Eu marcho às pressas para te fitar

Na garganta vil forma-se um caroço
Quando vejo um gesto tão cru e precário
Um amante novo você beijar!

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
REMEXENDO OS GUARDADOS há 11 horas

Entre as páginas amareladas Dum velho romance de amor Guardei a carta pe...
madalao Poesias 11


CLAMOR ( rondel) há 11 horas

Justiça! Vivo clamando aos quatro ventos. Silêncio! Porque resposta eu n...
madalao Rondel 5


OH HOMEM! (rondel) há 11 horas

Oh homem! Teus calores me agitam, E meu corpo fica em estado convulsivo. ...
madalao Poesias 7


E AGORA? (rondel) há 11 horas

E agora? Que podemos fazer? Remediar é coisa que não adianta. O mal f...
madalao Rondel 7


CORPOS UNIDOS há 12 horas

E me puseste no teu leito, Com cuidados de amante perfeito. De desejos mi...
madalao Poesias 7


Defensoria há 23 horas

Estou como os advogados: procurando brechas, nas leis do sistema, para d...
a_j_cardiais Poesias 40