VOO LIVRE

Asas inflam por térmica ascensão
E, após, descem em vórtice, planando...
Onde um sol escaldante alerta quando
O céu vai colorir-se de emoção.

A urubuzada aflita deixa o chão
Até tocar às nuvens ao olhar brando
De quem se quer com pássaros revoando,
Enquanto acelerado o coração.

Voar com eles, como eles, o dia todo.
Deve lhes ser, de facto, o melhor modo
De, conhecendo os céus, se conhecer.

E vão, como se parte da paisagem,
Aproveitando ao vento outra viragem,
Que simplesmente linda de se ver.

Betim - 12 01 2015