RETIRANTE

Enquanto em Caratinga, meio do meio,
Para e pede um pão breado de manteiga.
Sabe que no sertão o espera, meiga,
Aquela que deixou de olhar alheio...

Quando olha o que faz, parece feio.
Contudo, segue a estrada, veiga em veiga,
Até que veja a vila vã e leiga,
Onde o povo de povo está bem cheio.

Atravessava o país na rodovia,
Que interligava enfim Rio-Bahia
Para se arretirar das terras secas.

Leva a visão dos seus na miséria,
Enquanto come o pão breado da féria,
Sabendo-se ali cabra em meio a jecas.

Caratinga - 22 04 2016