ANTICLÍMAX

07 de Agosto de 2017 RicardoC Sonetos 127

ANTICLÍMAX

Pesa-me o ânimo triste após o coito
Como um fardo de culpa e de remorso.
No escuro, fixo o olhar sobre o alvo dorso
Alheio até da cama em que pernoito.

Mesmo tendo chegado um tanto afoito,
Só penso se terá valido o esforço:
Ignoro pela curva em seu escorço,
Se ela tem quarenta ou se dezoito...

Pouco importa... Sequer lembro o seu nome...
Ainda que por parvo ela me tome,
Ora a deixo sozinha em meio ao sono...

Saio apressado enquanto nasce o sol.
E a seiva masculina em seu lençol
É a única lembrança que abandono.

Belo Horizonte - 15 05 1995

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Paz Celestial há 5 horas

Paz na alma é muito mais Do que paz de mente... pois passa desta par...
kuryos Artigos 5


Poema Rosa Para um Dia de Sol há 20 horas

A Rosa Emília A Rosa que an...
a_j_cardiais Poesias 38


Poema Suado há 20 horas

Estou num deserto de inspiração... Nada passa por aqui... Nem ladrão. ...
a_j_cardiais Poesias 34


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 3 há 23 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 12


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 2 há 23 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 10


Hebreus 3 - Versículos 7 a 11 – P 1 há 23 horas

John Owen (1616-1683) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra ...
kuryos Artigos 10