De delírios que se pode criar.

10 de Setembro de 2017 Elisergiopoeta Sonetos 119

Todavia, o sol ainda brilhava...
Sempre anunciando um novo dia,
Sem conhecer às noites arrastadas.
Renovando-me a vontade de viver.

Em tantas noites jurei que morria.
Quando o coração passava a acelerar,
A respiração sempre fraca e pesada...
Logo me trazia o grande arrependimento.

De tudo eu que não fui capaz de praticar.
Mas, a sensação de ter ainda o que fazer.
Com muita dificuldade me reanimava.

Sentindo a pulsação em todo meu corpo,
Imaginava-me certamente um louco.
De delírios que um ansioso pode criar.


Uil.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
NA REBORDOSA há 1 hora

NA REBORDOSA Acordo e já começa a girar tudo... Olhos cerrados contra...
ricardoc Sonetos 4


PLEONÁSTICO n°2 há 21 horas

PLEONÁSTICO n°2 Encarasse de frente, não soslaio... Talvez, olhos no...
ricardoc Sonetos 4


ANTIFACISTA há 23 horas

ANTIFACISTA De irrestível apelo aquela união De fortes se fazendo 'in...
ricardoc Sonetos 5


A rua me aceita como sou há 1 dia

A rua me aceita como sou (Livro Poesias Reflexivas- Antonio Ferreira) N...
pfantonio Poesias 79


Não seja superficial há 1 dia

Não seja superficial (Antonio Ferreira-Livro Poesias Reflexivas) Olhe ...
pfantonio Poesias 91


"Dia do amor" há 1 dia

Amanhã é o dia reservado ao Amor, E a fragrância das flores confunde-s...
joaodasneves Poesias 14