ARIOSO

14 de Maio de 2018 RicardoC Sonetos 43

ARIOSO

Há quem diga que Amor é tão arisco,
Que às vezes vem sem quê nem para quê
Depois se vai enquanto ninguém vê,
Partindo sem deixar o menor visco.

Mas quem, por sua própria conta e risco,
Em males para o bem, melhor o crê.
E, no afã que Amor faça-lhe mercê,
Uma trave ao olho passa como cisco...

É assim que, galante e enamorado,
Um cristal lhe colore a realidade
Como sonhasse embora despertado.

Pois mais sofre d'Amor a liberdade
A ponto de por certo ter o errado
Ou mesmo uma mentira por verdade.

Betim - 14 05 2018

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Lembra? há 2 dias

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 21


Principio há 2 dias

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 13


Viandar há 2 dias

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 11


Fluxo do tempo. há 2 dias

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 14


Sou há 2 dias

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 12


Ame...! há 2 dias

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 11