FLORES INÚTEIS


Sinto como se tudo à minha volta

Fosse uma epifania ainda adiada

Ou meus olhos olhando para o nada

Ardessem de desejo e de revolta.


Eu vago pela noite sem escolta

A surpreender azuis na madrugada,

E ignoraria o afã da caminhada

Não fosse o eco d'alguma frase solta:


No altar d'um deus finado me persigno

Enquanto velhos fiéis cantando um hino

Ornam flores inúteis para os mortos.


Contribuo com meu cravo na lapela

E deixo enternecido essa capela

Aonde vieram dar meus passos tortos.


Belo Horizonte - 16 09 2018