DESAVERGONHADOS


Se entre quatro paredes, nós dois nus

Surpreendermos insones a manhã...

Eu te olho espreguiçando no divã

De costas reclinada contra a luz.


Tanto teu peito arfante me seduz

Que nem cuido se já perco a hora vã

Em admirar-te a pele mais louçã

Onde os seios a meus beijos fazem jus.

 

Quando pleno teu corpo se oferece,

Logo a Beleza em ti se reconhece

Como se Vênus vendo-se no espelho. 


Tu me encaras, por fim, em desafio.

E eu me entrego a adorar-te horas a fio,

Pois diante d'uma deusa me ajoelho.


Betim - 16 10 2018