CACIMBO

11 de Outubro de 2013 Cabindês Sonetos 398

Desceu o cacimbo sobre a minha terra,
Deixei d’a ver, perdi a noção como era,
Só sei que é linda, sua gente e história
Não sairão jamais desta boa memória.

O cacimbo é cerrado, como noite escura,
Assim permanece há muito tempo, cego
Como eu que mergulhei nesta clausura,
Perdi a noção do tempo, meu pobre ego.

Tenho inda esperança que este cacimbo
Levante e ajude a apagar as queimadas,
E poupar assim as árvores derrubadas.

Que o Sol surja p’ra iluminar o caminho,
Eu voltar à minha terra p’rá contemplar,
E o chão poder com carinho pisar e beijar.

Soneto escrito sem rigor métrico.

Ruy Serrano, 11.10.2013, às 15:00 H

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
O CAMELO QUE DECLAMA NO ZOOLÓGICO DE RECIFE há 3 horas

O poeta quando escreve seu trabalho inspirado faz a narração dos fato...
carlosale Cordel 6


A madrugada… há 14 horas

A madrugada e eu temos um romance a longo prazo… Nos entendemos e nos cu...
anjoeros Poesias 14


Vou tatuar a tua boca... há 14 horas

Quero tatuar na tua boca Meu beijo mais safado, mas também apaixonado, ...
anjoeros Poesias 8


Quero te pegar para mim...Capítulo 3 há 14 horas

Capítulo 3: Eu te quero pra mim e não vou abrir mão... Toco a campain...
anjoeros Prosa Poética 9


Quero te pegar para mim...Capítulo 2 há 14 horas

Capítulo 2: A expectativa mata... Meio dia. Nossa, nem acreditei quando...
anjoeros Prosa Poética 7


Quero te pegar para mim...Capítulo 1 há 14 horas

Capítulo 1: Decisão tomada, arrependimentos posteriores... Mais uma no...
anjoeros Prosa Poética 10