CACIMBO

11 de Outubro de 2013 Cabindês Sonetos 399

Desceu o cacimbo sobre a minha terra,
Deixei d’a ver, perdi a noção como era,
Só sei que é linda, sua gente e história
Não sairão jamais desta boa memória.

O cacimbo é cerrado, como noite escura,
Assim permanece há muito tempo, cego
Como eu que mergulhei nesta clausura,
Perdi a noção do tempo, meu pobre ego.

Tenho inda esperança que este cacimbo
Levante e ajude a apagar as queimadas,
E poupar assim as árvores derrubadas.

Que o Sol surja p’ra iluminar o caminho,
Eu voltar à minha terra p’rá contemplar,
E o chão poder com carinho pisar e beijar.

Soneto escrito sem rigor métrico.

Ruy Serrano, 11.10.2013, às 15:00 H

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem permissão do autor.

Leia também
Minha essência é a eternidade. há 4 horas

Manhã cinza dia tão estranho e ruim, Paira no ar uma sensação de fraca...
elisergio Sonetos 5


LAMPEJOS há 4 horas

LAMPEJOS Eu pouco a pouco volto à realidade. Ao acordar, lamento antes...
ricardoc Sonetos 5


Deixe Esse Amor Crescer há 20 horas

Deixe esse amor crescer... Ele está brotando em um coração árido. De...
a_j_cardiais Sonetos 36


Ás palavras não são mais meu legado. há 20 horas

Fiz-me silenciar por que te perdi! Tu me revogara a licença concedida, D...
elisergio Sonetos 7


Não há o que comemorar. há 20 horas

Não há de fato o que comemorar! A virgem do sertão não é independente...
elisergio Sonetos 6


A vida depois daqui! há 20 horas

Ver que a morte não é o fim, é o início! Disse-me com amor chamando de...
elisergio Sonetos 7