Quando te conheci,



você não me conhecia.



De você a mim, o afeto vinha se
aproximando;



e a você, meu afeto aproximando ia.





Ressaltado, te mandava um sinal.



E você, com outro sinal, me
correspondia...



Pressenti que nada obscuro de você a mim
restava;



então percebi que nada escuso entre nós
existia.





Com um toque de mão te acariciava...



E você me correspondia com outro toque
de mão.



Entretanto, uma dúvida sobre mim
pairava,





Quando, de cima abaixo, olhei até o
chão:



um senhor, das sombras, nos espreitava!



Descobri que eras casadas; eu, não!