SOLIDÃO

02 de Novembro de 2013 selda kalil Sonetos 366


Solidão que aterrissa em meus pensamentos
Fazendo moradia sem hora marcada de partir
Da minha janela contemplo meu jardim ambíguo
Flores desfalecidas por falta de coexistir

Solidão este mal que afronta multidões
Doença transmissível as almas sofridas
Frutos desta vida imposta e desajustada
Que derruba os humanos em dias assombrados

Existem inúmeros prazeres que a vida vem propor
Cada qual busca o melhor em prol do seu bel prazer
Causando erros e acertos a este incógnita coração

Nem tudo que reluz é brilho no seu aprendiz
Uma mal ação sempre gera uma reação que não condiz
Buscas incansáveis que desajustam almas em prol da solidão


Leia também
Circunstâncias há 14 horas

Não quero me perder, procurando a perfeição... Ser perfeito em quê? ...
a_j_cardiais Sonetos 38


"A maldade" há 1 dia

De que me serve escrever, inventar, sonhar sem pensar No meu interior me a...
joaodasneves Poesias 8


"Não sei" há 1 dia

Hoje tenho vontade de rir Mas também tenho vontade de chorar Ja nem sei ...
joaodasneves Pensamentos 5


Domínio do Pecado ou da Graça há 2 dias

Se é impossível não pecar enquanto estivermos neste mundo, por que J...
kuryos Mensagens 19


Ventinho Delicado há 3 dias

Uma mulher passa com seu rebolado... Um ventinho delicado faz seu vestid...
a_j_cardiais Poesias 55


Mortos Vivos, Vivos Mortos há 3 dias

O que é viver? Tem gente que tem tudo, e não se sente feliz... Fica as...
a_j_cardiais Poesias 56