Ausentei-me do que restou deste passado
Guardei-o somente para eventuais recordações
O que passou, passou e não há remendos absolutos
Melhor fechar o livro e albergá-lo num reduto

Não se joga fora o que de bom vivemos em união
Mas não se rende o que não tem remendo ao coração
Deste passado não me intimido e nem me autorizo
Neste presente estou viva e em perfeitas condições

Das flores trago meu riso em cores
Da água tenho sede de meus amores
Do tempo eu vivo o meu presente contente

Se bem me quer ou se mal me quer
Esqueça-se da folhas amareladas que se perderam
Enriqueça sua vida buscando fluidos positivos deste presente