ESPANTALHOS
(Selda Moreira Kalil)
(Edson Nelson Soares Botelho)

Espantalhos que vem do passado
Com seus farrapos mal assombrados
Que jogam suas cartas e atiram flechas
Acertando nas veias em tempos de lua cheia

São parafernálias que a vida nos brinda
Pelos frutos de um passado mal arquitetado
Que os levam a sentirem condenados
Pelas mazelas da cruz e da espada

Dentro deste circo espantoso
Pássaros pegam voos tenebrosos
O mar revolto lança sua rede

Espantalhos perdido no tempo
Com os seus pecados
Restou somente o mar para acalentar suas cinzas