FOME

09 de Novembro de 2013 selda kalil Sonetos 1050

FOME
(Selda Moreira Kalil)

Quando não se tiver mais nada
Bagunça astrológica, escolhas sinistras.
Entre o chão e a escada
Comida na mesa, rastreada a pobreza.

Quando deveria ser o que de fato não é
A maré fica baixa
Nada se tem,nada se leva
Um Deus nos acuda, sem dinheiro no caixa.

Quando há espinhos fincados
Panelas vazias, corações acanhados.
Saúde escassa, fome soprando na beira da estrada.

Quando pensar que morreu
Jesus estará no seu leito a orar
Dividindo o seu pão que lhe veio a faltar.

Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
Lembra? há 1 dia

Quando o tempo nós pertencia dia e noite não existiam? Quando ainda...
enidesantos Poesias 10


Principio há 1 dia

Toda a humanidade repelida da perfeição Privada da perspectiva da ...
enidesantos Poesias 9


Viandar há 1 dia

Viver e caminhar eu gosto de tudo que a vida me da Gosto de viver e ...
enidesantos Poesias 9


Fluxo do tempo. há 1 dia

Boca devoradora do tempo que tudo vai apagando varrendo da vida todo o en...
enidesantos Poesias 10


Sou há 1 dia

o que quero e onde quero Meu palco é a vida Dela faço brotar o pr...
enidesantos Poesias 10


Ame...! há 1 dia

Apenas ame Não se infecte de amor Infecte-se de vida Queira vida D...
enidesantos Poesias 8