SEM REVOLTAS OU CONTRAVOLTAS

09 de Novembro de 2013 selda kalil Sonetos 315

Ora rio dos meus risos
Ora choro com minhas saudades
Eu e a minha cruz se acalentam
Neste contentamento que as vezes nos acrescentam


Vivendo nesta peleja
Deus dar-se a vara para pescar
E eu sem descanso neste vendaval
Vivo as labutas deste tribunal


A cada século novos viventes
Adentram-se e ocupam espaços de alugueis
Em tempo determinado existente e convincente


Enquanto a terra gira, homens e animais se adentram.
Com bilhetes pagos de ida e volta
Sem direito a revoltas ou contravoltas.



Esse texto está protegido por direitos autorais.
Cópia, distribuição e execução são autorizadas desde que citados os créditos.

Leia também
O BURACO há 3 horas

O menino corria, empurrado pelo vento, empinando a pipa que o pai fizera p...
madalao Mensagens 9


UM GATO NO ESPELHO há 18 horas

Um gato, parado diante do espelho do quarto de sua dona, discutia com...
madalao Infantil 17


Tudo junto e misturado há 1 dia

Tudo junto. Misturado. Animado. Apaixonado. Completamente dado e entreg...
anjoeros Poesias 17


Quando senti vontade de amar... há 1 dia

Prefiro ser acusado de amar demais do que ser reconhecido por ser aquele q...
anjoeros Poesias 11


Meu café há 2 dias

UM CAFÉ SEMPRE CAI BEM...ANTES DO ALMOÇO,DEPOIS DELE... TE FAÇO UM CA...
anjoeros Poesias 16


Ao pé do ouvido há 2 dias

Vem cá, menina... Deixa eu te falar, bem lá dentro do teu ouvido, tudo ...
anjoeros Poesias 17